Em homens obesos com mais de 45 anos, A incidência de hipogonadismo pode atingir 40%

Em homens obesos
com mais de 45 anos,
A incidência de hipogonadismo
pode atingir 40%1

1. Dhindsa S, Miller MG, Mcwhirter CL et al. Testosterone concentrations in diabetic and nondiabetic obese men. Diabetes Care 2010 Jun; 33(6):1186-92.

Terapia de Reposição com Testosterona a Longo Prazo Melhora a Função Urinária e Sexual e a Qualidade de Vida

Julho de 2018

ESTUDO: Haider KS, Haider A, Doros G, Traish A. Long-Term Testosterone Therapy Improves Urinary and Sexual Function, and Quality of Life in Men with Hypogonadism: Results from a Propensity Matched Subgroup of a Controlled Registry Study. J Urol. 2018;199(1):257-265.

Está bem documentado que o hipogonadismo está associado à obesidade, síndrome metabólica, redução de libido e disfunção erétil1, e que a terapia de reposição com testosterona nestes homens melhora a função cardiometabólica e sexual.2,3

Aqui resumimos os resultados de um estudo publicado no Journal of Urology, que avaliou os efeitos da terapia de reposição com testosterona a longo prazo em homens com deficiência de testosterona na função sexual e urinária e na qualidade de vida.4

Pontos chave

  • Há um risco teórico de que a terapia com testosterona possa representar um risco para os homens que sofrem com hiperplasia prostática benigna (HPB) e com sintomas do trato urinário inferior (lower urinary tract symptoms – LUTS).
  • Comparado com homens hipogonádicos não tratados, a terapia de reposição com testosterona durante um período de até 8 anos está associada com:
    • Melhora de LUTS, como demonstrado pela redução no IPSS e no volume da bexiga pós-miccional.
    • Melhora da função erétil, como demonstrado pelo aumento no escore IIEF-EF.
    • Melhora dos sintomas do hipogonadismo, como demonstrado pelas reduções na pontuação do Aging Male Symptom escore (AMS).
    • Ligeiro aumento no volume de próstata, sem impactar significativamente os níveis de PSA.
  • A melhora na função erétil, LUTS e escore AMS ocorreu durante os primeiros 2 anos de tratamento com testosterona, e os benefícios se mantém após a obtenção de níveis terapêuticos de testosterona.

O que se sabe sobre a testosterona, função sexual e urinária

  • O guideline de prática clínica da Sociedade de Endocrinologia (Endocrine Society Clinical Practice Guideline) de 2010 advertiu contra o uso da terapia de reposição com testosterona em pacientes com LUTS grave.5 Diversos estudos controlados randomizados recentes mostraram que a terapia com testosterona em pacientes com LUTS não piora estes sintomas - avaliados pelo questionário de Avaliação de Sintomas de Próstata validado (International Prostate Symptom Score - IPSS) - em comparação com o placebo.6-11 Mesmo em homens com LUTS grave, não foram observadas diferenças no IPSS em homens que receberam terapia com reposição de testosterona versus placebo.11 Houve uma pequena melhora nos escores de IPSS no grupo tratado com testosterona.11
  • Uma meta-análise de 14 estudos clínicos que investigaram o efeito da terapia de testosterona no LUTS relatou que a alteração no IPSS foi semelhante entre homens que receberam terapia com testosterona versus tratamento com placebo, sugerindo que o tratamento com testosterona não piora LUTS.12
  • Uma revisão sistemática de 35 estudos que avaliaram os efeitos da terapia com testosterona em LUTS e no volume de próstata descobriu que, na maioria dos estudos, não houve crescimento significativo da próstata com o tratamento com testosterona.13 Estudos em homens com LUTS leve não demonstraram nenhuma mudança ou demonstraram melhora nos sintomas com o tratamento. Os estudos em pacientes com síndrome metabólica demonstraram melhora uniforme nos sintomas do trato urinário inferior.

O que este estudo acrescenta

  • O estudo no Journal of Urology foi um registro observacional, prospectivo e cumulativo em 656 homens com idade média de 61 anos que apresentavam níveis totais de testosterona menores ou iguais a 349 ng/dl (12,1 nmol/L) e sintomas de hipogonadismo.4 O grupo tratado com testosterona (360 pacientes) recebeu 1.000 mg de undecilato de testosterona intramuscular a cada 12 semanas por até 10 anos. Os 296 homens que decidiram não iniciar a reposição serviram como o grupo controle. De cada grupo, 82 pacientes foram pareados por idade, circunferência abdominal e índice de massa corporal.
  • Os resultados mostraram que a terapia com testosterona diminuiu significativamente o IPSS e o volume pós-miccional. Houve também melhora significativa no escore Aging Males' Symptoms e no domínio IIEF-EF (Índice Internacional de Função Erétil-Função Erétil). Em homens hipogonádicos não tratados, a micção e a função erétil apresentaram piora progressiva durante o período de acompanhamento. Notavelmente, a melhora significativa no LUTS foi avaliada subjetivamente pelo IPSS e objetivamente por reduções no volume pós-miccional.

Sintomas do Trato Urinário Inferior

  • Conforme mostrado na figura 1, os homens tratados com testosterona tiveram uma redução progressiva, sustentada e significativa no IPSS. A diminuição do IPSS foi maior durante os primeiros 2 anos. Em contraste, no grupo não tratado, o IPSS aumentou gradualmente. Mesmo depois do ajuste para idade, peso, circunferência abdominal, glicemia dejejum, pressão arterial, perfil lipídico e escore AMS, houve diferenças significativas no IPSS ao longo do período de acompanhamento.
  • Figura 1: Melhora do IPSS em homens tratados com testosterona em comparação com homens não tratados durante o acompanhamento de 8 anos.
Propensity-Matched Group: IPSS

*p <0,0001 entre grupos; # ajustado para a circunferência abdominal, peso, glicemia dejejum, pressão arterial sistólica e diastólica, colesterol total, HDL, LDL, triglicerídeos, escore AMS

Na linha de base, 50% dos pacientes no grupo tratado com testosterona apresentavam sintomas leves (escores de IPSS de 0 a 7) e 50% apresentavam sintomas moderados (IPSS 8 a 19). No grupo de controle, 91,5% dos homens apresentaram sintomas leves e 8,5% apresentaram sintomas moderados, indicando que os homens não tratados estavam em melhor situação na linha de base. Na última visita, todos os pacientes do grupo testosterona melhoraram para a categoria leve. Em contraste, entre os homens não tratados, 61% apresentavam sintomas leves e 39% sintomas moderados na última visita e, portanto, sofreram um agravamento dos sintomas de LUTS.

Volume pós-miccional

Conforme mostrado na figura 2, houve redução progressiva e significativa no volume pós-miccional em homens tratados com testosterona, que acompanhou a redução no IPSS. Em contraste, o volume pós-miccional do grupo não tratado aumentou gradualmente.

Figura 2: Melhora do volume pós-miccional em homens tratados com testosterona em comparação com homens não tratados durante o seguimento de 8 anos.

Propensity-Matched Group: Post-Voiding Residual Volume (mL)

*p <0,0001 entre grupos; # ajustado para a circunferência abdominal, peso, glicemia em jejum, pressão arterial sistólica e diastólica, colesterol total, HDL, LDL, triglicerídeos, escore AMS

Disfunção erétil

A Figura 3 mostra a melhora significativa na função erétil em homens tratados com testosterona, como demonstrado por um aumento significativo no escore IIEF-EF. Em contraste, no grupo não tratado houve uma deterioração progressiva na função erétil, como demonstrado por uma diminuição significativa deste mesmo escore ao longo do tempo.

Figura 3: Melhora do IIEF-EF em homens tratados com testosterona em comparação com homens não tratados durante o seguimento de 8 anos.

Propensity-Matched Group: IIEF-EF (maximum score: 30)

*p <0,0001 entre grupos; # ajustado para a circunferência abdominal, peso, glicemia em jejum, pressão arterial sistólica e diastólica, colesterol total, HDL, LDL, triglicerídeos, escore AMS

Escore Aging Male Symptom (AMS)

Uma redução significativa no escore mas, indicando melhora nos sintomas relacionados à deficiência de testosterona foi observada em homens tratados com testosterona, como mostrado na figura 4. A diminuição do escore AMS foi abrupta durante os primeiros 2 anos e, em seguida, permaneceu reduzida ao longo do seguimento. Em contraste, este escore aumentou ligeiramente no grupo não tratado.

Figura 4: Melhora nas pontuações do escore AMS em homens tratados com testosterona em comparação com homens não tratados durante o acompanhamento de 8 anos.

Escore Aging Male Symptom (AMS)

Observação:
As barras azuis mostram diferenças estimadas entre os grupos ajustados para a idade inicial, peso, circunferência abdominal, glicemia de jejum, pressão arterial, perfil lipídico e escore AMS. Diferença ajustada; tratamento menos controle.

Volume de próstata e antígeno prostático específico (PSA)

O volume médio da próstata em homens tratados com testosterona aumentou ligeiramente de 31,4 para 33,2 mL, enquanto permaneceu estável nos homens não tratados. O PSA manteve-se inalterado em homens tratados com testosterona e não tratados.

Eventos Adversos

Houve 5 óbitos (6,1%), 8 acidentes vasculares cerebrais não fatais (9,8%) e 8 infartos do miocárdio não fatais (9,8%) no grupo não tratado, nenhum no grupo tratado com testosterona.

Comentário

O crescimento prostático é diretamente proporcional aos níveis de testosterona.15 A terapia com testosterona melhora as condições associadas à piora de LUTS, como a síndrome metabólica e a inflamação prostática.14 A testosterona também pode ajudar aumentando a expressão e a atividade da óxido nítrico sintase e o relaxamento do músculo liso.15

O presente estudo concluiu que a terapia de testosterona a longo prazo em homens hipogonádicos melhora significativamente a função urinária e sexual e a qualidade de vida, enquanto os homens não tratados sofrem uma piora nestes parâmetros.4 Esses resultados confirmam estudos anteriores que mostraram melhora significativa nos sintomas de micção ou LUTS após a terapia com testosterona.16-20

Deve-se destacar que a melhora nas funções da função erétil, LUTS e AMS ocorreu durante os primeiros 2 anos de tratamento com testosterona.4 A maior elevação nos níveis de testosterona ocorreu durante o primeiro ano de tratamento; portanto, os benefícios continuam a se manifestar anos após a obtenção de níveis terapêuticos de testosterona.4 Isso ressalta a importância de considerar o curso do tempo para o início e a expressão máxima dos benefícios com a terapia com testosterona. Ao iniciar o tratamento com testosterona, as diretrizes de prática clínica das Sociedades de Endocrinologia dos Estados Unidos5 e do Canadá21 recomendam um teste terapêutico de 3 meses, enquanto a Sociedade Internacional de Medicina Sexual22 e especialistas23 recomendam que os clínicos considerem um período mínimo de 6 meses para avaliar a resposta terapêutica.

L.BR.MKT.03.2018.9838

Referências

  1. Morgentaler A, Zitzmann M, Traish AM, et al. Fundamental Concepts Regarding Testosterone Deficiency and Treatment: International Expert Consensus Resolutions. Mayo Clin Proc. 2016;91(7):881-896.
  2. Traish AM, Haider A, Haider KS, Doros G, Saad F. Long-Term Testosterone Therapy Improves Cardiometabolic Function and Reduces Risk of Cardiovascular Disease in Men with Hypogonadism: A Real-Life Observational Registry Study Setting Comparing Treated and Untreated (Control) Groups. J Cardiovasc Pharmacol Ther. 2017;22(5):414-433.
  3. Snyder PJ, Bhasin S, Cunningham GR, et al. Effects of Testosterone Treatment in Older Men. N Engl J Med. 2016;374(7):611-624.
  4. Haider KS, Haider A, Doros G, Traish A. Long-Term Testosterone Therapy Improves Urinary and Sexual Function, and Quality of Life in Men with Hypogonadism: Results from a Propensity Matched Subgroup of a Controlled Registry Study. J Urol. 2018;199(1):257-265.
  5. Bhasin S, Cunningham GR, Hayes FJ, et al. Testosterone therapy in men with androgen deficiency syndromes: an Endocrine Society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab. 2010;95(6):2536-2559.
  6. Hildreth KL, Barry DW, Moreau KL, et al. Effects of testosterone and progressive resistance exercise in healthy, highly functioning older men with low-normal testosterone levels. J Clin Endocrinol Metab. 2013;98(5):1891-1900.
  7. Del Fabbro E, Garcia JM, Dev R, et al. Testosterone replacement for fatigue in hypogonadal ambulatory males with advanced cancer: a preliminary double-blind placebo-controlled trial. Support Care Cancer. 2013;21(9):2599-2607.
  8. Kenny AM, Kleppinger A, Annis K, et al. Effects of transdermal testosterone on bone and muscle in older men with low bioavailable testosterone levels, low bone mass, and physical frailty. J Am Geriatr Soc. 2010;58(6):1134-1143.
  9. Kalinchenko SY, Tishova YA, Mskhalaya GJ, Gooren LJ, Giltay EJ, Saad F. Effects of testosterone supplementation on markers of the metabolic syndrome and inflammation in hypogonadal men with the metabolic syndrome: the double-blinded placebo-controlled Moscow study. Clin Endocrinol (Oxf). 2010;73(5):602-612.
  10. Srinivas-Shankar U, Roberts SA, Connolly MJ, et al. Effects of testosterone on muscle strength, physical function, body composition, and quality of life in intermediate-frail and frail elderly men: a randomized, double-blind, placebo-controlled study. J Clin Endocrinol Metab. 2010;95(2):639-650.
  11. Tan WS, Low WY, Ng CJ, et al. Efficacy and safety of long-acting intramuscular testosterone undecanoate in aging men: a randomised controlled study. BJU Int. 2013;111(7):1130-1140.
  12. Kohn TP, Mata DA, Ramasamy R, Lipshultz LI. Effects of Testosterone Replacement Therapy on Lower Urinary Tract Symptoms: A Systematic Review and Meta-analysis. Eur Urol. 2016;69(6):1083-1090.
  13. Kathrins M, Doersch K, Nimeh T, Canto A, Niederberger C, Seftel A. The Relationship Between Testosterone-Replacement Therapy and Lower Urinary Tract Symptoms: A Systematic Review. Urology. 2016;88:22-32.
  14. DeLay KJ, Kohler TS. Testosterone and the Prostate: Artifacts and Truths. Urol Clin North Am. 2016;43(3):405-412.
  15. Baas W, Kohler TS. Testosterone Replacement Therapy and BPH/LUTS. What is the Evidence? Current urology reports. 2016;17(6):46.
  16. Ko YH, Moon du G, Moon KH. Testosterone replacement alone for testosterone deficiency syndrome improves moderate lower urinary tract symptoms: one year follow-up. The world journal of men's health. 2013;31(1):47-52.
  17. Kalinchenko S, Vishnevskiy EL, Koval AN, Mskhalaya GJ, Saad F. Beneficial effects of testosterone administration on symptoms of the lower urinary tract in men with late-onset hypogonadism: a pilot study. The aging male : the official journal of the International Society for the Study of the Aging Male. 2008;11(2):57-61.
  18. Francomano D, Ilacqua A, Bruzziches R, Lenzi A, Aversa A. Effects of 5-year treatment with testosterone undecanoate on lower urinary tract symptoms in obese men with hypogonadism and metabolic syndrome. Urology. 2014;83(1):167-173.
  19. Okada K, Miyake H, Ishida T, et al. Improved Lower Urinary Tract Symptoms Associated With Testosterone Replacement Therapy in Japanese Men With Late-Onset Hypogonadism. American journal of men's health. 2016.
  20. Shigehara K, Sugimoto K, Konaka H, et al. Androgen replacement therapy contributes to improving lower urinary tract symptoms in patients with hypogonadism and benign prostate hypertrophy: a randomised controlled study. The aging male : the official journal of the International Society for the Study of the Aging Male. 2011;14(1):53-58.
  21. Morales A, Bebb RA, Manjoo P, et al. Diagnosis and management of testosterone deficiency syndrome in men: clinical practice guideline. Apêndice disponível em: http://www.cmaj.ca/content/suppl/2015/10/26/cmaj.150033.DC1/15-0033-1-at.pdf (acessado em 8 de Janeiro de 2018). CMAJ. 2015;187(18):1369-1377.
  22. Dean JD, McMahon CG, Guay AT, et al. The International Society for Sexual Medicine's Process of Care for the Assessment and Management of Testosterone Deficiency in Adult Men. The journal of sexual medicine. 2015;12(8):1660-1686.
  23. Hackett GI. Controversies in the diagnosis and management of testosterone deficiency syndrome. CMAJ. 2015;187(18):1342-1344.

Saiba mais em

Diagnóstico

Os sintomas de hipogonadismo podem variar de acordo com a pessoa.

Terapia

A terapia de reposição de testosterona é caracterizada por uma larga margem de segurança e boa tolerabilidade.

Seus Pacientes

Informações úteis para médicos e seus pacientes.