Hipogonadismo - Diagnóstico e algoritmo de tratamento

Atualmente, mais de
55% dos homens estão
acima do peso 1

Diagnóstico e algoritmo de tratamento

Um algoritmo padronizado para o diagnóstico e tratamento do hipogonadismo masculino está resumido na Figura 1.1

Figura 1: Algoritmo de Avaliação Diagnóstica de Hipogonadismo/DAEM
Tabela adaptada das referências 3 e 4

Tabela 1: Contraindicações para reposição de testosterona

Para ver todos os dados da tabela, mova para direita ou para esquerda
Contraindicações absolutas Contraindicações relativas
  • Câncer de próstata metastático
  • Câncer de mama
  • Nódulo ou enrijecimento prostático não esclarecido;
  • PSA > 4ng/ml (>3 ng/ml em indivíduos de alto risco para câncer de próstata);
  • Hematócrito > 50%;
  • Hipertrofia de próstata muito sintomática;
  • ICC não controlada;
  • Apneia obstrutiva do sono não tratada.

Tabela adaptada da referência 5

Tabela 2: preparações de testosterona disponíveis atualmente no Brasil

OPÇÕES TERAPÊUTICAS

VIA DROGA DOSE/ INTERVALO VANTAGENS DESVANTAGENS
Oral Undecilato de Testosterona 120-160mg/dia em várias doses Via oral e doses modificáveis Efeito clínico e níveis séricos de T muitos variáveis
Transdérmica Gel Gel de Testosterona Hidroalcoólica 25 - 100mg/dia Níveis séricos de testosterona dentro do patamar fisiológico, doses modificáveis Transferência hormonal interpessoal, irritação da pele, aplicação diária e menor adesão a longo prazo
Transdérmica Solução Alcoólica Solução alcoólica de testosterona 30 - 120mg/dia Níveis séricos de testosterona dentro do patamar fisiológico, doses modificáveis Transferência hormonal interpessoal, irritação da pele, aplicação diária e menor adesão a longo prazo
Intramuscular Ésteres de testosterona 250mg / 2 - 4 semanas Baixo Custo Níveis séricos de T muito variáveis, injeções frequentes, risco de policitemia.
Intramuscular Cipionato de testosterona 20mg / 2 - 4 semanas Baixo Custo Níveis séricos de T muito variáveis, injeções frequentes, risco de policitemia.
Intramuscular Undecilato de testosterona 1000mg / 10 a 14 semanas Níveis séricos de testosterona dentro do patamar fisiológico, longa duração e injeções trimestrais proporcionando melhor adesão ao tratamento Dor no local da aplicação

Tabela adaptada da referência 6

Tabela 3: Monitoramento do paciente em tratamento de reposição

Para ver todos os dados da tabela, mova para direita ou para esquerda
1 Avaliar o paciente 3 e 6 meses após o início do tratamento e então anualmente para avaliação da resposta clínica ao tratamento, bem como eventuais eventos adversos;
2 Monitorar os níveis de testosterona 3 a 6 meses após o início da reposição. Os níveis de testosterona durante o tratamento devem estar na faixa médio-normal;
3 Avaliar os valores de hematócrito no início do tratamento, aos 3 e 6 meses de tratamento e após , anualmente. Se o hematócrito estiver acima de 54%, interromper a terapia até que o hematócrito atinja níveis considerados seguros. Reiniciar a terapia com uma dose reduzida;
4 Avaliar a Densidade Mineral Óssea da coluna lombar e fêmur total após 1-2 anos de TRT em homens com hipogonadismo com osteoporose ou fratura óssea associada a traumas mínimos.
5 Em homens ≥ 40 anos ou com PSA basal > 0,6 ng/mL, realizar avaliação prostática (toque retal) e avaliar os níveis de PSA aos 3 e 6 meses e depois de acordo com as diretrizes para rastreamento de câncer de próstata (a depender de idade e etnia).

Tabela adaptada da referência 7

Referências

  1. http://www.abeso.org.br/noticia/quase-60-dos-brasileiros-estao-acima-do-peso-revela-pesquisa-do-ibge; acessado em 10/01/2017
  2. Traish A et al., Testosterone Deficiency, The American J of Medicine (2011) 124:578-587
  3. Bhasin S, Cunningham GR, Hayes FJ, et al.
    Testosterone therapy in men with androgen deficiency syndromes: an Endocrine Society clinical practice guideline. J Endocrinol Metab. 2010;95(6):2536-59.
  4. Dean et al. The International Society for Sexual Medicine’s Process of Care for the Assessment and Management of Testosterone Deficiency in Adult Men. J Sex Med 2015;12:1660–1686
  5. Bhasin et al J Clin Endocrinol Metab 2010 Jun;95(6):2536-59
  6. Recomendações em Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM) 2017 – Eduardo Bertero, Marcelo Rodrigues Cabrini e Archimedes Nardozza Jr – 1. Ed. – São Paulo – Sociedade Brasileira de Urologia - 2017.
  7. Dean JD. The International Society for Sexual Medicine’s Process of Care for the Assessment and Management of Testosterone Deficiency in Adult Men. J Sex Med 2015;12:1660-1686.

Saiba mais em

Diagnóstico

Os sintomas de hipogonadismo podem variar de acordo com a pessoa.

Terapia

A terapia de reposição de testosterona é caracterizada por uma larga margem de segurança e boa tolerabilidade.

Seus Pacientes

Informações úteis para médicos e seus pacientes.